sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

LUZ DO MUNDO, LUZ DO CÉU

Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. (Mateus 5.14-16)

Introdução

Fomos feitos para brilhar, diz Jesus no mais famoso sermão jamais pregado aquele que teve como púlpito uma montanha. Note-se a hierarquia do texto: somos luz que ilumina o mundo, a casa e os homens; e conclui com a glorificação do Pai que está nos céus. Isto indica que quando as nossas boas obras são notórias em todas as esferas da vida da mais pessoal e doméstica até a mais universal e ecumênica em última instância, Deus é Quem é glorificado (vale lembrar que a palavra glória, em hebraico, significa brilho iluminação). Mas Jesus, ironicamente, também diz que há quem não resista à tentação de acender uma vela para colocá-la debaixo de um pote de farinha. Naturalmente isso não é uma coisa muito inteligente a se fazer. Entretanto, vocês devem convir comigo que o dom da lógica não é realmente, patrimônio da grande maioria.

Cômico ou trágico temos de admitir que nem tudo que foi feito pra brilhar, brilha. E, ainda que pareça incrível, há muita coisa que não deveria brilhar e brilha.
O Nascimento das Estrelas. Tomemos como exemplo os corpos celestes. Há os de brilho próprio; as estrelas; e há os que apenas refletem a luz os planetas, os satélites, os cometas, etc.
Ambos brilham, mas aquelas, a partir de dentro, estes a partir de fora. Satélites e planetas refletem a luz, ao passo que as estrelas são luz. Jesus disse que nós também somos luz, e não meros refletores.
Entretanto, há quem não tenha luz própria... que pega carona na luz dos outros. São como os corpos celestes refletores, que dependem da luz externa. Só conseguem exercitar sua espiritualidade, por exemplo, se estimulados a partir de fora.

Para resumir: fomos feitos pra brilhar, mas se não estamos brilhando é porque alguma coisa está errada por dentro, e é preciso consertá-la. Os Eclipses das Estrelas, mas há uma outra situação que pode fazer com que a nossa luz fique impedida de brilhar. Mesmo o Sol, sendo uma estrela cheia de luz, de tempos em tempos fica ofuscado por corpos muito menores. Todos já ouvimos falar de eclipses, e até mesmo muitos já pudemos observar esse curioso fenômeno astronômico. Há ocasiões em que, por exemplo, a Lua, conquanto muito menor do que a própria Terra é suficiente para tapar a luz do Sol.

Entre os seres humanos os eclipses são ainda mais frequentes do que entre os corpos celestes. Há muitas circunstâncias nas quais a nossa luz fica obstruída. Isso pode ser causado por pessoas que se colocam diante de nós para nos prejudicar; ou pode ser causado pelas contingências da vida que por vezes nos abatem, tais como enfermidades, crises financeiras, conflitos familiares, etc. Mas há uma lição que devemos aprender com os Eclipses: todos eles são temporários. Não há eclipse que dure para sempre, porque a vida é movimento! Mais cedo ou mais tarde, a roda viva do Universo muda a posição dos corpos (celestes ou terrestres) e a luz represada volta a viajar rumo ao infinito.

É só uma questão de paciência astronômica. Porque jamais houve e jamais haverá algemas capazes de aprisionar a luz. A Morte das Estrelas Tragicamente; há ainda mais uma ocasião em que a luz pode deixar de brilhar: quando chega o inevitável crepúsculo sideral, pois até mesmo as estrelas morrem.
Só que até nisso as estrelas nos ensinam. Dizem os astrônomos que muitas das estrelas que vemos no céu, já deixaram de existir há milhares ou milhões de anos. Entretanto, sua luz ainda está lá. Não é fantástico?! As estrelas brilham com intensidade tal, que mesmo depois de sua morte, vencem o tempo e alcançam o infinito.
Isso quer dizer que se também brilharmos com a intensidade de quem tem Deus dentro de si, mesmo depois de nossa morte, nossa luz continuará a iluminar as gerações futuras. Da mesma forma que hoje somos iluminados pela luz daqueles e daquelas que viveram antes de nós, que nos deixaram seu legado de fé, esperança e amor.

Fonte: Luiz Carlos Ramos
http://www.luizcarlosramo

Um comentário:

  1. O azul significa a cura, paz, paciência...é a cor do elemento água, é a cor da mente. O azul mais escuro estimula pensamentos claros, é a cor da comunicação sem obstáculos.....
    Estou te aplaudindo em pé.
    Deus te guarde sempre.
    Mariza

    ResponderExcluir